É tudo tão cinza...

Imagem da internet



São várias linhas em branco
Branco como tua pele
Sem sequer uma única letra
Limpa, sem rabiscos

Aos poucos tua pela ganha cor
Pensa em tantas coisas e escolhe algo
Pega a caneta e começa
Um traço foi feito, e logo um desenho
Depois outro e outro
e tua pela tem mais uma cor

Do nada, digo que tu é M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A
E teu rosto ganha mais uma cor
Talvez um vermelho, ou rosa
teu rosto corou

Começa os elogios uma a outra
Tu abre um sorriso (acho)
Teus olhos brilham
Pronto, mais uma cor
Outra pra fazer contraste com teu cabelo

Digo que é linda, e você concorda
Eu riu, tu solta um sorriso de lado ou não
E tua pele não é mais branca como um papel
São os desenhos feitos à caneta o brilho nos olhos
a aparente vergonha, que com o tempo se desfaz

Tempo.
pouco menos de 365 dias
Eram quase todas as horas do dia
Até quando não tínhamos nada
Qualquer coisa, até as mais banais
Foram nossos assuntos

E quando não sabia mais nada
te elogiava
Era o que eu faria mesmo se soubesse de algo
Queria mostrar como tu é linda
e como sua inteligência também é linda

Tempo.
quase 2 dias
o mínimo de palavras foram trocadas
E não sabia o que fazer
Elogiar não parecia o certo a fazer

Sentir.
Senti sua falta
Sinto sua falta
Sumiu e com aviso prévio
Não sabia o que fazer

E a alegria matinal sumiu
Ficou um buraco onde tinha você (presente)
Ainda tenho você, imagino nossas conversas

É tudo tão Cinza

Yanka Xavier
(Participante do projeto Arte e Prosa)

Comentários