Paulo Lima - Retirando

Meu Deus, olha essa gente tão triste e doente
Maria, roga pur nós!
Salva as criança tão fraca e tão seca
De fome feroz.
As chuva não vem mas pra gente
E mata as lavouras e a plantação,
Maria cheia de graça, entrega a bendita graça
Para nosso Sertão...
E morrem os coitados, meus gado de fome e de sede
Meu pai, isso castigo?
Mas oia pra esse povo, sem dá um surriso
Abençoa essa tribo e hora cumigo...
E sem nada para poder prantar
Os barraco de paia vô desfazer,
Vô pras cidade, tão grandes e medonhas
A procura do dicume...
Por ruas de sangue eu vou caminhar
Na penúria das ruas escuras, nós vamo vagar,
E se a sorte não for com a nossa cara
Pra a mesma palhoça nós vamo vortar...
É essa a hora de ir, chegou o momento da dispidida
A Deus minha Maria de Aparicida,
A seca assustadora nós faz ir em bora pra longe cantar
E fica essa terra, tão triste na guerra a espera da chuva molhar...

Paulo Lima

Comentários