Uma louca paixão

Imagem da Internet 

Nenhum dos tragos dos tantos cigarros te trouxe para mim.
Nem a doçura que é meu café foi capaz de me permitir ter você.
As músicas, que tanto amas, foram lançados em vão no pendor das nebulosas.
As três Marias se calam ao som de uma história de amor.
As cadentes não já passam mais, nem na primavera se abre a mais delicada flor.
Os Sabiás que gorjeava não gorjeiam mais.
Culpa tua, que se fecha como os olhos do pássaro preto do Rei do Baião.
Nem meus poema conseguem destrancar as sete correntes que aprisiona teu coração!
Meus livros já empoeirados não conseguem mais me revelar respostas.
Tua cegueira enoja qualquer arte, por mais singela que seja.
Os poetas nordestinos nunca viram tamanha pobreza na tua face sertaneja.
Tola!
O Capibaribe reza por tamanha gloria, mas tu insistes em viver na penúria de não ser amada.
O sol e a Lua zombam no teu sofrer, não tem mais alma!
A face do bem encara e ajoelha para a face do teu mau, foi-se tua calma.
Nem as lagrimas saem mais desses teus olhos amargurados.
Secou! Teus olhos estão ao breu, comprometeram-se...
Os seres e entidades se envergonham de ti.
 toda a natureza resolveu te golpear
Só por um único motivo:
 não se permitir me amar.

Paulo Lima

Comentários