A infância e os apelidos dos amigos


Se eu pudesse contar o tanto que ri de amigos na vida, com certeza era um riso para cada pessoa no mundo. E até hoje eu sou assim, nunca perdi a graça. Os momentos pelos quais eu chorei, ainda a pouco, estão sempre vivos em minha memória. Fui o tipo de garoto que fazia brincadeiras com todos os amigos, hoje mais controlada é claro. Pois dizem que é bullying, já não gosto de nome, primeiro porque não escreve do jeito que ler e segundo porque uma multidão de pessoas se oprimem por causa dele.
Minhas brincadeiras nunca tiveram sérias consequências, até porque eram saudáveis e nunca machucou ninguém. Tive a dádiva de conviver com ótimos "aceitadores de apelidos" na época.
Eu era do tempo em que todos me esperavam na escola para sentar comigo e ouvir piadas, muitas vezes até sobre eles. Eu nunca procurei diferencia-los, lembrava apenas dos defeitos que possuíam, ríamos disso e íamos para casa sem nenhum ressentimento. E minha turma era, de fato, uma inspiração para mim. Lembro-me de Calanga elétrica, ríamos de sua deficiência com a cabeça, pois, em movimento repetitório ela ia para o lado como uma máquina de escrever. A chamávamos de Calanga, e para os íntimos, pescocinho. Fazíamos até uma brincadeira, do tipo que perguntávamos:
-Calanga, já pescou hoje?
Ela - Não, porque?
E ironicamente respondíamos:
- "PERCOCINHO"
Ela ria, nós ríamos e os professores riam. Ríamos de nós mesmos. Como por exemplo a Sarita, ela era fofinha, acima do peso (não sei bem como definir, sem ofender ninguém, se faço isso me perdoem pois não é por mau), lembro-me de um dia que ela amassou uma de nossas cadeiras da sala de aula que era completamente de ferro, ela estava caminhando sobre as cadeiras e caiu encima de uma. A sala toda caiu na gargalhada porque só reforçou o título de "gorda da sala". Outro episódio marcante aconteceu com Angelina, a chamávamos de "Bode Velho ou Mc Bodão", que insistência no talento de cantar! coisa que por sinal ela não sabia fazer. Em um desses projetos do governo (FACE) Angelina resolveu se inscrever criando uma música própria para concorrer em uma disputa estatual. Quadra lotada para assistir essa apresentação marcante de Bode Velho, quando ela começa a cantar:
-Eu sou a Deusa dos ventos, rainha do mundão...
Um inimigo da humanidade que estava sentado ao meu lado resolve completar a frase e grita:
-Eu sou Mc Angelina, a Mc Bodão.
Acabou que tivemos que deixar o local para que Angelina pudesse cantar sem nenhuma interferência. Mas, foi assim o ano todo. Claro que ela começou a aceitar e até brincava com a gente.
Tinha também a mais "influenciável" da sala, era de uma falta de inteligência assustadora, brincávamos, até porque ela não era loira, sendo assim inexplicável a sua burrice. A chamávamos de "Monkey", dizíamos que era macaco pelo fato dela levar em todas as aulas uma banana. Sempre a tirávamos das aulas dizendo que tinha caído um avião na quadra e ela sempre saia para ver. O fato mais marcante foi quando fizemos ela ameaçar uma cozinheira da escola porque dissemos que ela estava espalhando boatos que viu a "Monkey" jogando uma calça de uma garota dentro do banheiro feminino, coisa que ela nunca tinha feito, mas tanto que colocamos na cabeça dela, que ela acreditava que tinha feito. E como não lembrar da Mulher bambu, fazíamos até músicas e dançávamos para ela.
"Ú....ú....ú.... é o funk da mulher bambu. Balança, balança, balança tu, junto com a mulher bambu".
Chego a pensar que dariam uma dupla genial de comedia, "A mulher Bambu e Mc Bodão", seria de fato um talento esplendoroso. A dupla "Luerla e Lorrane Vecanani Buenao de Hahaha Raio Lêiser Bala de skiss" era uma atração, gravávamos vídeos de suas brigas, eram punhados de cabelo que tiravam de forma violenta e no final acabavam pintando as unhas um do outro. Tinha Kaline, a mulher sem queixo, que amava as bolachas "poca zoi", Auna Neves, que chamávamos de Kuroi, que todo mundo achava que significava "preto" na Africa. Ysla Maizena, que na aula de biologia toda doença que a professora citava a avó dela tinha, sempre dizíamos que a vó dela já estava com o pé na cova, mas vive até hoje, acreditem!
Havia outros que não tinham apelidos, mas faziam parte da turma do velho Deocleciano e Frei José da Encarnação.
Às vezes até íamos para a diretoria por algo que eu fiz, mas ninguém me dedurava, porque gostávamos das brincadeiras, a sala toda tomava punição, não era que eles tinham medo de ser apelidados para a eternidade, era que respeitavam as brincadeiras de uma maneira com que não se machucavam. Eram outras pessoas, eram outros tempos. Tempos esses, inclusive, os melhores deles.
Todos eles são meus amigos até nos dias de hoje, sempre damos boas gargalhadas juntos, lembrando de tudo o que passamos. E acreditem! choramos de saudade.
Não havia esse tal de "bullying" para nos deixar com raiva uns dos outros, ou doenças psicológicas, porque entendíamos que era apenas risos e brincadeiras. Só existia felicidade.
Que Deus mantenha em mim viva todas as minhas recordações, todos os amigos que tive a honra de "apelidar" carinhosamente cada um deles. Só os agradeço sempre pela grandiosa e maravilhosa história que me proporcionaram aos seus lados. 


Seção adivinhem quem são: 












Comentários