Paulo Lima - Poder segundo a Sociologia

Poder 

  De acordo com o sociólogo alemão Max Weber, o poder refere-se a imposição da própria vontade numa relação social, mesmo quando há resistência alheia. Nesse sentido, todas as relações sociais que estabelecemos com indivíduos, instituições e coletividades são também relações de poder, que podem se apresentar de maneira explicita ou não. 
  Por exemplo, as relações familiares são relações sociais carregadas de poder. Os membros de um núcleo familiar exercem poder sobre os outros em diferentes níveis. 
Os filhos, em várias situações, agem com base nas orientações e vontade dos pais. Quando um adolescente é convidado para uma festa de amigos, o horário em que devem retornar podem obedecer a uma orientação ou determinação dos progenitores, embora pessoalmente eles desejassem ficar mais tempo na comemoração. Esse poder familiar pode ser caracterizado como direito (explicito), quando o horário de retorno é claramente determinado pelos responsáveis - "Você pode ir, mas deve retornar até meia-noite"-, ou indireto, no caso em que, apesar de não ter sido dito de maneira clara, o horário  de retorno da festa é determinado em função dos responsáveis - "Á meia-noite tenho de estar em casa, senão meus pais vão ficar preocupados". Nos dois exemplos, a conduta do adolescente foi condicionada pelos responsáveis, que impuseram sua vontade: o jovem deveria estar em casa em um horário especifico. 
  O inverso também ocorre. Em muitos casos, a conduta dos pais é influenciada direta ou indiretamente pelos filhos. Quando uma criança pede um presente aos pais e eles atendem ao pedido, há um exercício de poder explícito sobre eles. Quando os pais ou adultos de uma família compram um presente para a mesma criança, levando em conta um possível desejo dela - "Vou comprar esse brinquedo porque ele (ou ela) vai adorar" -, o mesmo processo está em curso; ou seja,há um exercício de poder da criança sobre os pais, só que agora de mode indireto. 
  No caso de análise das relações familiares, temos um exemplo de poder que é reconhecido legalmente. Há situações em que esse reconhecimento é somente social, mas isso não diminui a sua efetividade. Não há norma legal que indique a necessidade de agir conforme a vontade de um amigo ou amiga, ou ainda do grupo qual faz parte. No entanto, muitas vezes a conduta de um individuo é pautada pelo atendimento à vontade, explícita ou não, de alguém por quem ele tem apreço. 




Fonte: Livro de Sociologia, segundo ano, 2018. 

Comentários